13 de out de 2012

ISAAC

“Parai! Sabei que eu sou Deus!” (Sl 46,11).
Peça na oração que o Senhor lhe dê a graça de permanecer voltando-se para Ele com tudo o que você é e tem (corpo, sensibilidade, inteligência, memória) neste tempo que você separou para Ele. Quanto depender de você proponha-se a não diminuir nada do tempo combinado com Ele. Sentindo-se tentado a fazê-lo, comprometa-se, ao invés, a prolongar por trinta segundos de oração.
Que podes ver, não importa onde, que possa durar por muito tempo sob o sol (Ecl 2,11)? Crês acaso que poderás saciar-te? Não os conseguirás. Se tudo se apresentasse diante de teus olhos, seria isto mais do que um vão espetáculo?
Eleva os olhos a Deus lá no alto e implora por teus pecados e tuas negligências. Deixa as vaidades para as pessoas vãs. Quanto a ti, aplica-te aos preceitos de Deus. Fecha a porta atrás de ti (2Rs 4,5; cf. Mt 6,6) e chama teu Jesus, teu Bem-amado. Fica com Elena cela, pois não encontrarás em outro lugar semelhante paz. Se não saísses e não ouvisses nada dos rumores do mundo, permanecerias em paz ainda maior. Mas, visto que às vezes gosta de ouvir as últimas notícias, é necessário que sofras a perturbação do coração.
“O Senhor visitou Sara – esposa de Abraão – e cumpriu o que prometera” (Gn 21,1). Isaac nasceu como dom muito especial de Deus para aqueles pais cansados de esperar um filho próprio, “para cumprir o prometido”. O nascimento prodigioso é marca da intervenção livre e fecundada do Altíssimo: “Portanto, a herança provém da fé. Comprova-se, então, que é por um dom gratuito que a promessa está garantida para toda a descendência” (Rm 4,16).
Em cada dia de nossas vidas, vemos o sol nascer e se pôr, as plantas florescem e frutificarem... Então, podemos nos esquecer que Deus ou até dizer que o mundo é o mundo e Deus não faz falta... As coisas acontecem porque acontecem. Assim, quando a desesperança toma conta de nossos corações, o inesperado acontece: nasce uma criança de um ventre velho, ou... de uma Virgem! Como na casa de Maria. E – maravilha! – olhamos tudo com outros olhos e nossos corações acreditam de novo e vibram de esperança, agradecidos por tanto amor: “Abraão não se deixou levar pela incredulidade. Mas, fortalecido pela fé, deu glória a Deus, convicto de que Ele é poderoso também para cumprir o prometido” (Rm 4,20-21).
Lembrete:
Existe um modo de contemplar que você desenvolve sozinho, com dádivas de fé, esperança e amor. Pratica – com o uso da memória, da imaginação e do livre arbítrio para evocar imagens e sentimentos e aprová-los ou rejeitá-los. Você usa a imaginação para conhecer um acontecimento real da vida de Jesus. Para você o acontecimento esta no passado, mas todas as coisas estão presentes em Deus, por isso, em Deus, você entra no acontecimento. Está simplesmente ali e ouve, vê e sente. Você toma parte no que acontece – e permite que Jesus lhe lave os pés, por exemplo, ou ajuda André a distribuir os pães multiplicados.
Reze o colóquio com fervor. O colóquio se faz, propriamente, falando como uma amigo fala a seu amigo. Exponha-se, então, a nosso Senhor Jesus Cristo, amigo fiel e verdadeiro. Siga o seu coração... Encerre com o Pai Nosso

Nenhum comentário:

Postar um comentário