12 de out de 2012

A PROMESSA

“A Deus nada é impossível!” (Lc 1,37).
Por que desejas ver o que não tens direito de possuir? Passam o mundo e suas cobiças. Os desejos dos sentidos nos atiram em todas as direções. Mas, passado este momento, qual o resultado, a não ser uma consciência carregada e um coração disperso? Uma alegre saída com freqüência provoca um triste retorno. Uma alegre e tardia vigília produz tristes manhãs. Todo prazer natural se introduz pelo aspecto sedutor, mas ao final das contas não passa de remorso e morte. Que podes ver em outra parte que não vejas aqui? Olha: ali estão o céu, a terra e os elementos dos quais tudo é feito!
Abraão confiou que ia ter um filho. No ano seguinte, Sara se alegria com o nascimento de Isaac (Gn 21,1-7). Como viria a dizer o Arcanjo Gabriel a Maria, filha de Abraão: “A Deus nada é impossível!” (Lc 1,37).
No texto do capítulo 18 de Gênesis, no primeiro versículo, está escrito: “O Senhor apareceu a Abraão...”. No versículo seguinte lemos: “(Abraão), tendo levantado os olhos, viu três homens” que chamam Sara, para que ela também ouvisse a promessa. Contudo, logo é dito: “O Senhor disse a Abraão...”. Então, o texto usa ou Um por Três ou Três por Um! Por isso, muitos leitores cristãos, através dos séculos, têm visto aqui um anúncio da revelação, por Cristo, do Ministério da Trindade: Deus é um só em três Pessoas! “Em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” somos todos batizados!
Quando medita, você se lembra de um acontecimento real, imaginando como aconteceu, talvez com muitos detalhes e na seqüência exata. Talvez você não entre inteiramente nele e se torne parte da ação; em vez disso, você se assemelha mais à maquina que fotografa a ação e grava o som. Mesmo se entra realmente nele, a ponto de se sentir e perceber completamente parte do que aconteceu, você não pára ali quando medita. Ao contrário, raciocina consigo mesmo sobre o que aconteceu e tenta entender melhor as pessoas envolvidas e os acontecimentos em si. Assim, além de imagens e sentimentos, você aprende orar e amar verdadeiramente.
Meditação:
Na igreja Primitiva o Caminho era o nome dos primeiros cristãos. Como Paulo quisesse partir para Acaia [Grécia], animaram-no os irmãos e escreveram aos discípulos para que o acolhessem. Tendo lá chegado [em Corinto], muito ajudou, por efeito da graça, aos que tinham abraçado a fé. Refutava vigorosamente e em público os argumentos dos judeus, demonstrando, pelas Escrituras, que Jesus é o Cristo [o Messias]...” (At 18,24-27).

Nenhum comentário:

Postar um comentário