29 de jan de 2015

YOGA X MACONHA

Yoga X Maconha

Quem pratica yoga nunca pensaria em usar maconha, que começou no ano 10.000 a.C. Não tenho certeza, mas penso que yoga começou 700 a.C. Há quem diga que Pantanjole escreveu as ideias que acompanham as asanas relativamente perto à vida de Jesus. Maconha faz muito mal. Talvez seria bom escrever algumas ideias sobre a controvérsia da liberação da maconha recreativa.
A maconha está no centro de uma grande controvérsia. Ela é demonizada por uma grande parte das pessoas e idolatrada por outras. Mas nenhum desses lugares-comuns e extremos representa bem seu significado para o homem. Não adianta tentar resolver o debate com as limitações do maniqueísmo simplório. A maconha pode fazer mal para pessoas que a consomem de modo abusivo, pois nenhum comportamento compulsivo é bom, e fumá-la é um comportamento compulsivo. Como remédio medicinal é vendida em cápsulas e não é preciso fumá-la.

28 de jan de 2015

O COCO

O Coco

Lá em cima do coqueiro, o macaco jogou um coco na cabeça de um guru.
O homem pegou o coco, bebeu primeiro a água depois comeu a polpa e da casca fez tijela.
Obrigado por me teres criticado.
“Que a nostalgia do passado e as incertezas do amanhã não empanem a vivência alegre do nosso hoje, o dia mais importante da nossa existência” (Pe. Roque S).
“O segredo para ser jovem é ter uma causa a que dedicar a vida” (D. Helder Câmara).
“Se quero melhorar o mundo, o melhor é começar comigo mesmo” (Phil Hosmans)
“A inteligência é capaz de criar versos maravilhosos, mas sem o coração pulsando neles... esses versos nunca serão poesia” (Héber S. de Lima).
“Grande homem é aquele que não perdeu seu coração de criança” (J Wu).
“A felicidade não é feita do tamanho de uma casa, mas do tamanho do amor que enche essa casa”       ( Hugo Bággio).
“A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás, mas só pode ser vivida olhando-se para a frente” (Soren Kierkegaard).
“Muitas pessoas se parecem com o tanque de um carro. Quanto mais o carro corre, mais o tanque esvazia” (Pe. Gabriel Galache, SJ).

26 de jan de 2015

RETIRO DE YOGA CRISTÃ ACONTECERÁ EM ABRIL


O CONHECIMENTO DE CRISTO

O Conhecimento de Cristo

Diálogo entre um convertido ao cristianismo, pouco depois de fato, e um seu amigo não crente:
“Então, você se converteu a Cristo?”
“Sim.”
“Portanto, deve saber muita coisa a respeito de Cristo... Diga, pois, em que cidade Ele nasceu?”
“Não sei.”
“E qual era a sua idade ao morrer?”
“Não sei.”
“Quantos sermões Ele pregou?”
“Você sabe muito pouca coisa pra quem se considera convertido!”
“Você tem razão. Tenho vergonha de saber tão pouca coisa a seu respeito; mas uma coisa eu sei: uns três anos atrás, eu era um alcoólatra e muito endividado.
Meu lar estava em ruínas. Minha esposa e os meus filhos, noite após noite, tinham pavor da minha volta para a casa.
Agora deixei de beber e já não devo nada; a minha casa é um lar feliz: esposa e filhos, cada noite, me esperam sorridentes.
Tudo isso Jesus Cristo fez por mim: é tudo isso que sei a respeito de Cristo!”

24 de jan de 2015

VIVA COMO AS FLORES

Viva como as flores

- Mestre , como faço para não me aborrecer?
Algumas pessoas falam de mais, outras são ignorantes. Algumas são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas e ainda sofro com as que caluniam.
- Pois viva como as flores, advertiu o mestre.
- Como é viver como as flores? – perguntou o discípulo.
- Repare nestas flores, continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim. Elas nascem no esterco, entretanto são puras e perfumadas. Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e agradável, mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas. É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem. Os defeitos deles são deles e não seus. Se não são seus, não há razão para aborrecimento.
Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo mal que vem de fora. Isso é viver como as flores.
O FREEMIND tem como meta o desenvolvimento das habilidades intelectos-emocionais. Ele pode ser útil para expandir a qualidade de vida de qualquer ser humano, em qualquer povo, cultura ou sociedade, pois suas ferramentas são universais. E, esclarece: “Quando o ‘eu’ foge de si mesmo, arquiva emoções negativas no córtez cerebral (camada mais evoluída do cérebro) e fará parte dos matizes de nossa personalidade, formando janelas traumáticas do tipo ‘killer’(isto é, janelas, quadros de visão, do tipo ‘matador, destruidor’ de ação prejudicial) de encarceramento do ‘Eu’ e de expansão de procedimentos (ações) doentias.” E mais: “A vida é um espetáculo imperdível, e vale a pena encená-la no teatro da existência, mesmo quando o mundo parece desabar sobre nós. E não pense que apenas camadas socioeconômicas inferiores ou menos cultas sofrem sob os efeitos de formas e estruturas de pensamento traumáticas e voltadas à derrota e ao mal. Se a Alemanha, a maior vencedora de prêmios Nobel nos primeiros 30 anos do século XX, foi seduzida por Hitler, pelo menos em grande parte de seus líderes e população, pelas ideias de um psicopata, quem garante que outros povos não serão seduzidos pelos ideais de outros  “Hitlers”?
     O FREEMIND está bem linkado com a BÍBLIA. Por que linkar a tese FREEMIND à fé à leitura diária da Bíblia? Para tornar seu programa de libertação e recondicionamento da mente e da alma na mais positiva e benéfica das transformações já ocorridas em sua vida, válida para o “aqui e agora” das nossas existências, e, também, para a eternidade.

Lema

Em nossa eterna busca de felicidade, cabe-nos aprender a difícil lição dos frutos que amadurecem devagar.
Um tijolinho hoje, outro amanhã. E os muros sobem, o acabamento progride, com lentidão. Estar empenhado na tarefa é o fundamental.

21 de jan de 2015

ALÉM DA RUA

Além da Rua

Quando fazia parte da Universidade de Princeton, Albert Einstein, uma das maiores mentes da história, entre suas inúmeras histórias e pesquisas, dedicava-se regularmente a uma adolescente em especial que causava grande estranheza a seus colegas. Duas vezes por semana ele dava aulas de matemática para uma garotinha da escola primária.
Seus colegas de Universidade com frequência lhe perguntavam como ele podia perder parte do seu precioso tempo dando aulas para a garotinha. Einstein lhes respondeu:
- Vocês não imaginam as perguntas maravilhosas que ela faz!

20 de jan de 2015

DENTES DE LEÃO

Santo Inácio e seus companheiros fundaram a Companhia de Jesus (os Jesuítas), aprovado oficialmente pelo Papa Paulo III, em 1540.

Dentes de Leão

Um homem que cuidava bem do seu gramado se viu às voltas com uma imensa multidão de dentes-de-leão. Usou todos os métodos que tinha ao seu alcance a fim de eliminá-los; mas a praga lá estava sempre mais viçosa.
Dirigiu-se ele, então, a um departamento do Ministério, creio eu, da Agricultura.
Na carta enumerou tudo quanto já usara para acabar com os tais dentes-de-leão, perguntando, no fim: “Que me resta fazer?”
Passado alguns dias, a resposta veio:
“Nós sugerimos a você que aprenda a amá-los!”

19 de jan de 2015

FÉ - DIÓGENES

Diógenes
O famoso filósofo Diógenes jantava, um dia, um prato de lentilhas, quando o viu outro filósofo, Arístipo que levava vida boa e confortável sempre adulando o Rei.Diz, então, a Diógenes Arístipo: “Se aprendesses a bajular o Rei, não te seria nunca necessário comer um lixo assim como lentilhas.” Por sua vez Diógenes lhe diz:“Tu também, se tivesses aprendido a alimentar-se sempre de lentilhas, não te seria nunca necessário passar a vida bajulando o Rei.”

18 de jan de 2015

CORTANDO LENHA

Meditamos sobre Santo Inácio e os seus primeiros companheiros.

Cortando lenha

E o Mestre Zen, quando atingiu o Discernimento escreveu estas linhas para celebrá-lo:
“Oh admirável maravilha:
Eu corto lenha! Eu tiro água do poço”.
Para a maioria das pessoas nada existe de “admirável “ em atividades tão preciosas como cortar lenha ou tira água do poço. Depois da iluminação interior, de fato, nada muda. Tudo permanece o mesmo. Só que, agora, seu coração está repleto de maravilha. Uma árvore é apenas uma árvore, e as pessoas continuam sendo o que eram antes; você também, e a vida segue em frente sem mudança. Talvez continue sendo tão temperamental, tão tolo – ou tão sábio – como antes. Existe apenas uma diferença importante: agora você enxerga todas estas coisas com um olho diferente. Você está mais desligado de tudo isso. E seu coração enche-se de maravilha.
Aí reside a essência da Contemplação: o sentido da Maravilha.

17 de jan de 2015

COMA VOCÊ MESMO O SEU FRUTO

Continuamos nossas reflexões sobre Santo Inácio de Loyola, fundador dos Jesuítas.

                                                Coma você mesmo o seu fruto

Queixava-se um discípulo a seu mestre:
“Belas histórias o senhor nos conta, mas nunca nos revela o seu destino”.
“Gostaria que alguém lhe desse um fruto, não inteiro e cheiroso, mas já bem mastigado pra você?”
O sentido das coisas, ninguém dá, ninguém o acha pra você, nem o seu Mestre.
 Por causa das guerras e outros conflitos, os franciscanos não deixaram Inácio ficar em Jerusalém.
Inácio falou:
“Já que não podia ficar na Terra Santa, voltei por Chipre a Veneza, de Veneza passei por Ferrara. Havia guerra e fui preso. Suspeitavam que eu fosse um espião. Despiram-me e me examinaram minuciosamente. Mas me tomaram por um idiota, pois não falei nada e não procurei me justificar, deixando tudo nas mãos de Deus. Acabaram me soltando”.

16 de jan de 2015

A ESPOSA DO CEGO

Continuamos refletindo sobre a vida de Santo Inácio.


A esposa do cego

Um pai que tinha uma filha muito feia deu-a mulher a um homem cego porque ninguém a queria.
Um bom médico, então, se ofereceu para restituir a vista do cego.
Apavorou-se o pai e não deixou, temendo que, depois, o homem, ao vê-la, a mandasse de volta, num divórcio.
Comenta Sa’di a respeito desta fábula: “É melhor que continue cego o marido de uma mulher feia.”
Se a paz da consciênciase apresenta como o melhor travesseiro para o sono da tranquilidade, a fé é a bússola certa para os navios errantes, incertos, em busca das praias da eternidade. Utilize-a dia e noite, cantando salmos de alegria e gratidão.

15 de jan de 2015

CURSO DA FEBRACT EM FEVEREIRO


A LESMA E O TEMPO

Continuamos a meditar sobre a vida de Santo Inácio de Loyola, fundador  dos Padres e irmãos de Jesus (os Jesuítas)

A Lesma e o Tempo

Ajuntaram-se, um dia, os animais numa assembléia a fim de se queixarem de que os homens tiravam tudo deles.
“Tiram de mim meu leite”, disse a vaca;
“de mim os ovos”, disse a galinha;
“de mim a carne, para fazer a linguiça”,
Disse o porco grunhindo e até a baleia:
“e a mim me caçam para tirar meu óleo.”
E assim por diante, até que veio a lesma:
“Eu tenho algo que os homens gostariam de ter ou tirar, se eles pudessem, algo que eles gostam doidamente e existe em mim sobrando: eu tenho TEMPO.

LANÇAMENTO - CADA DIA 365 - DROGAS PREVENÇÃO SOLUÇÕES


Recém lançado por padre Haroldo, este livro foi escrito para as pessoas que ministram palestras diariamente ou para quem deseja entender mais sobre o submundo das drogas, do qual o álcool é a pior. A maconha é a mais usada. Temos no mundo mais usuários de maconha do que número de brasileiros. Os cigarros matam mais do que as outras drogas entre os toxicômanos. O álcool causa depressão e outras doenças. A cocaína provoca euforia antes da baixa autoestima e da violência. O crack causa intenso prazer e transtorna a personalidade rapidamente. A intensão da obra é que o leitor aproveite as ideias aqui contidas para transformar a realidade em que vivemos. Com prefácio de Augusto Cury.
Para adquirir, acesse www.livrarialoyola.com.br

A RAPOSA ALEIJADA

Continuamos lendo sobre Santo Inácio de Loyola, o fundador dos Jesuítas.


A raposa aleijada

Fábula do Místico árabe. As’di
Um homem, ao passar pela floresta, viu uma raposa que perdera as pernas e admirou-se como, assim, sobrevivia.
Neste momento, um tigre apareceu que trazia, entre os dentes, caça nova.
E no dia seguinte, a mesma coisa:
Deus nutriu a raposa usando o mesmo tigre.
O homem admirou a bondade de Deus e assim pensou consigo mesmo:
“Eu também vou deitar-me aí, em algum cantinho. Com muita confiança no senhor. E Ele vai me mandar quanto me é necessário”.

BONECA DE SAL

Para entender as minhas ideias e escritos é necessário saber um pouco da vida de Santo Inácio de Loyola. O Papa Francisco, o Papa do povo, e milhares de jesuítas estudaram oficialmente 15 anos da espiritualidade de Inácio. Francisco, um Jesuíta, chegou a ser o Papa. Eu cheguei a ser um padre dos alcoólatras e drogados e capelão da APAI de Campinas
Boneca de Sal
A boneca de sal vagueou pela terra até chegar ao mar, onde ficou absorta a contemplar aquela massa imensa de água inquieta que ela nunca vira.
“Quem é você?” pergunta, então, ao mar.
“Pois entre e veja” diz o mar sorrindo.
Dito e feito, ela entrou dentro do mar e quanto mais entrava, mais se dissolvia até que só restasse um pouco do seu corpo.
Antes de derreter-se totalmente exclamou a Boneca admirada:
“Agora, sei quem eu sou!”
Quem é você, Inácio de Loyola?
Eu me chamava Iñigo de Loyola. Mais tarde passei a assinar Inácio de Loyola. Hoje sou conhecido como Santo Inácio de Loyola. Mas nem sempre fui santo...
Minha casa era uma pequena fortaleza; minha família fazia parte da nobreza local, gostava de espadas e arcabuzes, as espingardas daquele tempo, e treinei bastante no uso dessas armas e na arte de montaria. Gostava de dançar, de namorar.
Em 1521, numa batalha contra os franceses, uma bala de canhão me partiu a perna direita e feriu a esquerda.
Fiquei acamado por 2 anos.
 Lendo a vida de Cristo e dos santos, às vezes, graças a Deus, me surpreendia pensando: “E se eu fizesse isso que São Francisco fez? E aquilo que fez São Domingos? São Francisco fez isso? Pois vou fazer também!”
Mais tarde, exercitando-me nos mistérios da vida de nosso Senhor Jesus Cristo, comecei a dali tomar luz.
Comecei a sentir e conhecer a vontade de Deus em todas as coisas. Esse foi o momento da minha conversão.
Depois fundei os Jesuítas.
Lema
      É a nossa mentalidade que empresta dimensões a tudo. Somos o que pensamos, refletimos e rezamos.
      Vence mais facilmente na vida quem cultiva um corpo sadio, um espírito equilibrado e um coração aberto à esperança, enfunado pelos ventos da alegria de viver.