18 de jun de 2015

OS FUNDAMENTOS DA LEI

Os fundamentos da lei

Nesta vila internacional, o Rabino ou Padre, o Ministro ou Pregador, torna-se único fundamento da fé para a humanidade. Um Padre católico chamado Padre Harold Rahm torna-se o modelo espiritual de Hector. O primeiro encontro entre Padre Harold Rahm e Hector é em um evento religioso, o qual é conduzido na escola secundária de Bowie. Essa escola está localizada no sul de El Passo. Padre Rahm já é uma lenda na vizinhança carente desta área. Ele aprendeu uma mistura de espanhol- inglês (span-glish) da fronteira, mas com um sotaque Irlandês virtuoso.
Padre Rahm passará pelas piores situações – e ele sempre transforma os piores ofensores em uma vida de fé e amor. Não há problema demasiadamente pequeno ou grande para este nobre homem. Ele trabalha com o mais pobre dos pobres. Mesmo os piores criminosos respeitam este pobre renomado guerreiro.

Um dia Hector está dirigindo seu fiel calhambeque na Rua South Stanton. Ele está quase atravessando ponte para Juarez, quando ele vê um rosto familiar em uma velha bicicleta quebrada. Ele não está enganado, uma vez que Padre Rahm acena para todos e tudo com sua imensa visão sagrada, sendo que cada pessoa é unicamente importante. Hector trás seu carro barulhento para um local tumultuado e troca cumprimentos. Padre Rahm retribui o cumprimento com euforia como se encontrasse um parente distante perdido. Hector não consegue esconder o sentimento de culpa, quando ele vê o meio de transporte do Padre Rahm. No entanto, esta velha bicicleta amassada é mais potente do que um nobre cavalo. Os pneus velhos, mas corajosos da bicicleta viajaram pelas terras mais pobres e sua aparência frágil revela uma forte mensagem pessoal.... “Junte-se ao meu grupo. Eu tenho menos do que vocês, mas sou o mais rico dos homens”. O sorriso do Padre Rahm é eterno e atinge os mais frios corações.
Padre Rahm diz para Hector que ele está a caminho de uma loja chamada “Casa Medina” para solicitar algumas telhas para a cozinha de uma pobre família. Hector pisca para o céu e orgulhosamente fala que a Casa Medina é a loja de seu avô. Padre Rahm não está surpreso com esta coincidência. Hector coloca a sagrada e gasta bicicleta no porta-malas de seu calhambeque. Ele não se surpreende quando Padre Rahm acena para todos no caminho até a loja.
O corredor de “chismes e chistes” para para acenar de volta para o amigo, feliz Padre.

A primeira vista, Padre Rahm e a tia de Hector, Ana Maria tornam-se amigos próximos. A pequena tia tem um coração de ouro. Hector sorri com orgulho, como suas duas vilas se reúnem. Os cidadãos universais se tornam um, no riso sincronizado e aceno das mãos. Há apenas um problema, como Ana Maria não entende span-glish – e particularmente -quando a gíria acrescenta inteligência Irlandesa. Na linguagem universal de acenar e apontar o dedo, eles aprendem a se comunicar. Hector poderia ajudar, mas ele está se divertindo observando e escutando nos bastidores.
Desnecessário dizer, Padre Rahm vai embora com telhas suficientes para várias cozinhas. E ele recebe sinal de boas-vindas para quaisquer futuras doações para seus dignos projetos. Hector nunca esteve tão feliz. A vila muito Mexicana cumpriu o seu papel de bondade. O velho carro de Hector é visivelmente rebaixado com o peso das telhas. Independente disso, Hector ainda dirige ligeiramente rápido – e Padre Rahm reza por uma cura para esta febre habitual de velocidade. Surpreendentemente, Padre Rahm pede para Hector leva-lo a um bar de má reputação, nas proximidades. Padre Rahm pede para Hector esperar no carro e promete voltar logo. Ele tem que cumprir com um pedido de uma família do lado sul, para visitar sua filha – e ela insiste em trabalhar neste lugar de má reputação.

Depois de uma longa meia hora, Padre Harold Rahm volta sem falar nada até que o carro chegue do outro lado da ponte, em El Passo.
Padre Rahm fala para Hector que ele “temporariamente” falhou em sua missão e afirma:- “A jovem está em apuros, mas eu não consegui fazê-la ouvir-me”. Eu vou continuar a visita-la, até que ela saia daquele lugar. Padre Rahm não aceita falhas. Ele rezará muito mais e pede para Hector ajuda-lo nesta oração. Hector só pode imaginar a natureza do problema, mas ele ainda é muito ingênuo para entender o lado mais obscuro da vida.
O restante da viagem é bastante silencioso. Quando Hector estaciona o carro no estacionamento do escritório paroquial, Padre Rahm sai com o espírito renovado para a próxima reunião. Assim que Padre Rahm vai com sua bicicleta no corredor lateral – Hector acena uma falsa despedida para este momento inesquecível.

A lenda do “Pop” Harold Rahm continua até hoje. Ele deixou no início da década de sessenta, para servir os lugares mais pobres do Brasil. A cada 3 a 5 anos, ele retorna para visitar seus amigos do lado sul. Hector nunca perde a oportunidade de participar da missa especial de boas-vindas. A igreja está sempre cheia. Os menos afortunados sempre estão presentes – eles são os maiores provedores de sua missão no Brasil. Eles são abençoados, uma vez que ajudam outros ainda mais necessitados. Padre Rahm e seus discípulos de todas as crenças deixam a raiz de seus medos pelos outros. Eles acreditam que a vida real começa depois da morte. Eles não têm medos ou dúvidas enquanto servem o pai eterno, do passado, presente e futuro.


2 de jun de 2015

BANANA

Banana
Andava um homem no ônibus, todo calmão, com uma banana enfiada no ouvido. O outro que estava ao lado dele se incomodou com aquilo, virou-se para ele e disse:
- Escuta, moço, o senhor está com uma banana enfiada no ouvido.
E o da banana perguntou:
- Que foi que o senhor disse?
E o outro falando mais alto:
- O senhor está com uma banana enfiada no ouvido.
- Não escutei direito. O senhor podia falar mais alto?
 Aí o outro gritou:
- O senhor está com uma banana enfiada no ouvido!
E o cara berrando, também:
- Fala mais alto! O senhor não está vendo que eu estou com uma banana enfiada no ouvido!?
Em todas as circunstâncias Deus no ouve.