20 de mai de 2012

PRATICANTE ATIVO

“Não como ouvinte distraído, mas como praticante ativo, esta pessoa será feliz no que realizar” (Tg 1,23).
Entrando no mistério da Paixão, anotamos cuidadosamente os três pontos iniciais da contemplação:
Ver as pessoas da ceia e, refletindo sobre mim mesmo, procurar tirar algum proveito. 2) Ouvir o que dizem e também procurar tirar algum proveito. 3) Olhar o que fazem e tirar algum proveito.
Algumas pessoas se contentariam em olhar à cena evangélica usando a imaginação de algum modo. Outras procurariam ouvir o que dizem as pessoas, sobretudo a Pessoa Divina de Jesus, e até observar os Seus gestos reveladores, como o lava-pés, Bom, sem dúvida! Pedimos mais, propomos algo melhor.
Contemplar não é ficar como assistente de um filme ou de uma peça sacra. Quantos vão ver filmes sobre Jesus ou espetáculos como a representação da Paixão e saem dali sem fruto de uma conversão mais profunda e comprometedora.
Por isso, insistimos que coloquemos “lá”, no mistério que o Evangelho abre para nós, com todo o poder de Palavra da Vida. “Refletimos sobre mim mesmo” quer dizer que me deixo questionar, iluminar, aquecer pela Palavra Viva e pelo Gesto de amor de Cristo, o meu Salvador.
Lembram o conselho do apóstolo Tiago: “Quem ouve a Palavra sem a praticar se assemelha a uma pessoa que se olha no espelho e logo vai embora, esquecendo-se do que viu. Pelo contrário, quem se aplica atentamente à lei perfeita, à lei da liberdade [o santo Evangelho] e nela ficar constante, não como ouvinte distraído, mas como praticante ativo, esta pessoa será feliz no que realizar” (Tg 1,23).
Meditação:
Observo o que Jesus sofre como ser humano que é. Um homem saudável na plenitude de sua vida, é traído, encarcerado, torturado, falsamente condenado e executado. O que passa pela mente e pelo coração de um homem saudável quanto é tratado desta maneira? Que ira e ressentimento o põem à prova? Que amarguras? Como Jesus lidou com tudo isto? Tenho de recordar também que Jesus escolheu livremente passar por todas estas obscuras agonias a mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário