5 de jul de 2012

AMOR DOAÇÃO

“Eis como reconhecemos o amor: Ele entregou sua vida por nós. Assim, também, devemos dar a vida por nossos irmãos” (1Jo 3,16)
Preparação: escolho um bom lugar para o meu recolhimento mais profundo e acolho a presença de Deus. Rezo a costumeira oração preparatória.
Pedido de graça: peço compreender o significado do amor verdadeiro, doar a vida em favor dos demais!
O amor em gestos dos verdadeiros seguidores de Cristo.
Entro em oração usando a minha imaginação. Imagino e observo tantas imagens que povoam minha mente:
- Observo o amor da mãe pelo filho gerado, nascido, educado, ora sadio, ora doente, ora feliz, ora sofrido. Quantas palavras proferidas, ensinando, educando, velando, acompanhando o filho! Vejo a alegria da mãe na alegria do filho; a dor da mãe na dor do filho; sucesso do filho, conquista da mãe! Quantos gestos, quantas renúncias, quantos passos! Comparo: como são meus passos de amor? Considero e rezo!
- O amor-doação. Vou recordando pessoas que amaram. Por exemplo, Maximiliano Kolbe, na entrega da sua vida, em favor de um pai de família, e posto para morrer de fome e sede pelos nazistas. O preço do gesto de amor, nesta terra, foram dez dias de fome e sede, totalmente despido na cela da morte, e, no fim, uma injeção de formol na veia. Valeu a pena? Reflito e rezo.
- Percorro ainda as inumeráveis obras sociais que a quase totalidade das igrejas, obras sociais e no país inteiro, realiza em favor dos seus necessitados.
- Repasso tudo do ponto de vista de que o amor verdadeiro é serviçal, é doação total, segundo o ensinamento do divino Mestre. Rezo pedindo graça, pedindo perdão, examinando-me e querendo viver como cristão(ã).
Meditação:
“Fostes sepultados com Ele no Batismo. Também com Ele ressuscitastes pela Fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos. Vós, que estáveis mortos pelas vossas faltas. Deus vos vivificou juntamente com Cristo....” (Cl 2,12-13).

Nenhum comentário:

Postar um comentário