11 de ago de 2012

PRESSÃO DA LUTA

“Em Deus, cuja promessa eu louvo, em Deus confio, não temerei: o que um homem me pode fazer?” (Sl 56,1-5).
Retirar-se com a imaginação para onde tenhas tido intensas experiências de Deus. Ver este lugar o mais vivamente possível. Voltar a viver este ambiente, a viver esta experiência. Regressar à situação presente. Retirar-se de novo. Regressar etc.
Muitas experiências profundas da vida serão muito úteis para alimentar a oração se tomarmos tempo para voltar a vivê-las de uma maneira mais tranqüila. Em épocas de crises, seguir o conselho do Cristo Redentor aos apóstolos aflitos: “Regressai a Galiléia!”. Regressar aos dias de alegria passados com o Senhor.
A maioria de nós vive sob pressão da luta pela vida. Nas grandes cidades, sobretudo, até ir ao trabalho, até em casa, diante de uma violência que parece ter vindo para ficar.
Por isso, pacificar-se é uma excelente atitude terapêutica, de grande valor para quem rezar com intimidade e profundidade. Você pode usar algumas maneiras de pacificar-se que são tiradas dos sistemas de relaxamente psicossomático.
Refletir: cada sensação criada pela onipotência de deus! Sentir o contato de Deus em todo o corpo: tosco, suave, agradável, doloroso. Respire. Sinta o ritimo.
Lembrete:
Que Nome é este, pelo qual Pedro, João e tanta gente mais em sequência se alegram de sofrer afrontas, também físicas? Que nome é este que suscita mártires até os dias de hoje?
Ao subir a Jerusalém, Paulo, vindo pelo mar desde Éfeso, o grande porto grego da Ásia Menor, desembarcou em Cesaréia Marítima, a capital proconsular da Palestina romana, hospedou-se em casa de Filipe, um dos sete primeiro diáconos da Igreja Mãe da Jerusalém. Ali veio a seu encontro um profeta cristão da Judéia, Ágabo:
“Vindo ter conosco” – narra Lucas – “ele tomou o cinto de Paulo e, amarrando-se de pés e mãos, declarou: ‘Isto diz o Espírito Santo: o homem a quem pertence este cinto, assim será preso em Jerusalém pelos judeus, que o entregarão aos pagãos’” (At 21,11).
O anúncio causou grande agitação e tristeza na comunidade.começaram a rogar a Paulo que desistisse de ir a Jerusalém. Paulo respondeu: “Que estais fazendo, chorando e afligindo o meu coração? Pois estou pronto, não somente a ser preso, mas até a morrer em Jerusalém, pelo Nome do Senhor Jesus” (At 21,130.45).

Um comentário:

  1. Assim como todas as reflexões do Padre Haroldo são uma mensagem de fé e harmonia, esta também me trouxe muita paz espiritual.
    um grande abraço a todos.

    ResponderExcluir