25 de set de 2012

REVELAÇÃO DE AMOR

“Cumpre sua divina vocação. “ele escolhe, pois, a vida” (Dt 30,19).
Evita ao máximo o rebuliço dos homens: é um grande incômodo tratar dos negócios do mundo, mesmo com pura intenção. Bem depressa a vaidade nos mancha o nos mantém cativos. Teria sido melhor que eu tivesse calado mais vezes e tivesse evitado o comércio com os homens.
Por que gostamos tanto de jogar conversa fora, quando é raro que voltemos ao silêncio sem dano de consciência? Gostamos tanto de falar porque em nossas conversas procuramos a consolação mútua e porque desejamos confortar nosso coração, que se fadiga nos rodeios do pensamento. É com grande prazer que falamos e pensamos no que amamos ou desejamos muito, ou no que nos contraria.
Exame de consciência: passar o filme da vida, começando neste momento e vendo atrás. Se houver distrações, ir atrás da distração até a origem dela. Não condenar nem aprovar o “filme”, só observar.
Ah! Esta pessoa vai ler a narrativa de Noé com o mesmo Espírito com que foi recolhida e posta na Bíblia: como revelação do Amor do Pai. Ele não fica indiferente diante de nossas malícias e crimes, de nossos roubos, fraudes e chacinas. Ele dá vocação aos seus amigos para defenderem a vida. Assim, Noé atravessa os tempos de provação salvando, socorrendo. Cumpre sua divina vocação. “ele escolhe, pois, a vida” (Dt 30,19). Que vida? Não somente a vida humana, mas toda a vida, sem deixar de lado sequer as pulgas, que certamente entraram em sua arca no pelo da cachorrada, se assim você quiser imaginar!
O que nos vale e salva em tempos duros e cheios de maldade é em tudo buscar e achar a vontade de Deus. “Noé fez tudo o que Deus mandou” (Gn 6,22). Fora dessa bela, boa e santa vontade não há salvação.
Apesar de estar completamente alienado de Deus, as leis que Ele imprimiu na terra e no mar me sustentavam – o ar encheu meus pulmões, a comida foi digerida por meu sistema digestivo, a luz entrou pelos meus olhos. Eu estava totalmente fora de sincronia. Mais que isso. Por que as pessoas santas não foram movidas pelo Espírito para acabar com minha maldade, ou até comigo mesmo? Como os anjos puderam continuar protegendo-me, em vez de riscar-me desta vida? Por que a terra não me consumiu? Por que não fui posto num lugar em que tantas pessoas gostariam que eu tivesse ido?
Lembrete:
Finalmente: volto-me para Deus, meu misericordioso Senhor. Dir-lhe-ei o que me ocorrer, deixando fluir meus pensamentos e dando-lhe graças por me haver dado vida até este momento. Determino-me a não fazer nada disso novamente, com a ajuda divina. E termino com um Pai Nosso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário