22 de set de 2012

CAIM

“O que deseja de Caim é que ele se arrependa e faça o bem” (Gn 4,6-7).
É preciso manter a caridade para com todo mundo, mas a familiaridade não convém. Às vezes acontece que alguma pessoa goze de excelente reputação quando não é conhecida, mas desaponta quando vista de perto. Às vezes pensamos que os outros gostam de se encontrar conosco, mas na realidade lhes desagradamos pela conduta que nos vêem demonstrando.
Que escritor não gostaria que um personagem seu fosse milenar e mundialmente famoso? O desconhecido autor humano do Livro do Gênesis, cooperando livremente com o autor divino, o Espírito Santo, conseguiu esse prodígio com várias de suas “criaturas”: Caim, por exemplo. Existiram Caim e Abel? São caracterizações do conflito entre pastores e agricultores, ou nômades e sedentários? Nada indica que as relações entre esses grupos humanos tiverem sido, habitualmente, de discórdia e luta. Caim, no entanto, é um tipo humano. Seu conflito é um conflito humano: um irmão roído de ciúmes. Alguém que olha tanto para si mesmo, para o que sente e para a importância que, acredita, lhe é devida que se torna assassino. Todos nós conhecemos Caim. Todos nós reconhecemos em Caim, isto é, temos “algo” em nós que nos prova que Caim é nosso irmão.
Se Caim é nosso irmão, neste caso é filho de Deus. Olhamos tanto para ele que nos esquecemos de olhar para nosso Pai. Nosso Pai assinala Caim, para que ninguém se sinta autorizado a persegui-lo e matá-lo. O que deseja de Caim é que ele se arrependa (v.6) e faça o bem (v.7). O Pai do Céu sabe esperar! Já no Gênesis percebemos o vulto do Pai de Jesus, do Pai do filho Pródigo e de seu irmão mais velho, honesto, mas duro de coração, ciumento como Caim!
Dou graças a Deus Nosso Senhor por tudo o que Ele tem feito por mim e por toda a humanidade.
Peço a Deus que ilumine minha mente para ver meus pecados e para que me ajude a viver sem eles.
Lembrete:
Pergunto-me sobre o que tenho feito. O que tenho dito ou deixado de dizer? O que tenho feito ou deixado de fazer? Examino o meu dia, talvez um pouco sistematicamente – por períodos de tempo, ou através de algum outro método.
É muito importante que aqueles que desejam crescer em Cristo dediquem algum tempo no fim do dia para agradecer a Deus pelo dia e examinar como estão concretizando suas esperanças e intenções.
Vá concluindo com um colóquio. Ajuda a lembrar-se de nossa gente que não chega a crer... dos que estão impossibilitados de crer, pois precisam, com a graça de Deus, do seu testemunho de vida, de sua ação cristã, de sua oração, de sua palavra, edificando sobre o Fundamento que Cristo (1Cor 3,11), prolongando, como pedra viva (1Pd 2,5), as colunas dos apóstolos (Ef 2,2)... Encerrar com o Pai Nosso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário