28 de abr de 2013

CENTRO DA CRIAÇÃO

“Vaidade absoluta, tudo é vaidade” (Ecl 1,1),
Ponho a me escutar ... posso até tapar os ouvidos com os polegares e com os outros dedos, de leve fechar os olhos. Sinto e percebo as vibrações ... A própria respiração... Agora tento perceber o canto dos passarinhos: sons agudos ... sons mais suaves ... Todas as aves do céu cumprem sua missão: cantam e não param de cantar. Com elas, também eu canto louvores ao Criador e agradeço a quem nos deu ouvidos.
“Vaidade absoluta, tudo é vaidade (Ecl 1,1), a não ser amar a Deus e só a ele servir. O ápice da sabedoria consiste em visar o reino dos céus, desprezando o mundo. É vaidade buscar as riquezas perecíveis e a ela restringir a esperança. É vaidade pretender honras e preocupar-se em fazer carreira. Vaidade seguir os desejos humanos e cobiçar o que mais tarde fará miséria. Vaidade desejar vida longa sem se preocupar com a excelência dela. Vaidade só dar atenção a esta vida, sem se preocupar com a futura. Vaidade é amar o que é passageiro em vez de orientar-se para a alegria que permanece.
Tomo o salmo 8: “vendo a lua e as estrelas brilhantes, perguntamos: Senhor o que é o ser humano para dele assim vos lembrardes? “Aceito o ser humano, centro das criações, co-criador com Deus no seu projeto de mais vida para todos nós?”
“Pouco abaixo de Deus fizestes, coroando–o de gloria e esplendor”: percebo a minha vida alicerçada no projeto amoroso  de Deus para suas criaturas?  
Todo homem experimenta o desejo natural de saber. Mas que importa a ciência sem o temor de Deus? Não há dúvida de que mais vale um pobre peão que serve a Deus do que um orgulhoso filósofo que, sem preocupar-se consigo mesmo, perscruta o curso do céu.
Quem se conhece bem, não tem muita estima de si e rejeita os louvores humanos. Se eu conhecer tudo neste mundo, mas não estiver no amor, de que me servirá isto diante de Deus, visto que ele me julgará por meus atos?
 “Vos lhe destes poderes sobre todas as coisas, vossas obras a seus pés colocastes”: há alguma afeição que esteja me impedindo de ser livre do meu relacionamento com as cosias...com as pessoas...com Deus? Qual? Como me prende? Sinto me capaz, com a graça de Deus, de criar e  transformar os relacionamentos com a natureza e as pessoas ? Afinal, ”a gloria de Deus é a vida humana”.
Finalizo! Entrego-me nas mãos do Pai que me criou livre, que eu possa viver o dom da liberdade autêntica, para ser mais filho, filha e mais irmão, irmã! Concluo rezando o Pai Nosso .

Nenhum comentário:

Postar um comentário