16 de jan de 2015

A ESPOSA DO CEGO

Continuamos refletindo sobre a vida de Santo Inácio.


A esposa do cego

Um pai que tinha uma filha muito feia deu-a mulher a um homem cego porque ninguém a queria.
Um bom médico, então, se ofereceu para restituir a vista do cego.
Apavorou-se o pai e não deixou, temendo que, depois, o homem, ao vê-la, a mandasse de volta, num divórcio.
Comenta Sa’di a respeito desta fábula: “É melhor que continue cego o marido de uma mulher feia.”
Se a paz da consciênciase apresenta como o melhor travesseiro para o sono da tranquilidade, a fé é a bússola certa para os navios errantes, incertos, em busca das praias da eternidade. Utilize-a dia e noite, cantando salmos de alegria e gratidão.

Encarada com fastio e aborrecimento, qualquer tarefa nos cansa... antes mesmo de a iniciarmos.
Inácio falou:
“ De esmola fui recebido num navio de peregrinos. Deram-me algum dinheiro. Eu o deixei para os pedintes da praça. Para comer levei biscoitos, ração dos marinheiros daquele tempo, porque o capitão só me aceitou com essa condição. O veleiro enfrentou uma grande tempestade na travessia para o porto de Gaeta, na Itália”
“Continuei rumo a Veneza, esperando encontrar passagem para a Terra Santa. No caminho, dei de esmola uma quantia que tinha aceitado como pagamento da passagem para a Terra Santa. Passei por Pádua e cheguei a Veneza, onde me mantive mendigando na praça. Foi lá que me encontrou um rico espanhol que já me conhecia. Ele me convidou à sua casa e mesa, e conseguiu passagem para mim num navio que seguia para Chipre.”
“Eu estava com febre e fraco, mas embarquei assim mesmo. Vomitei muito, e parece que isto me fez bem. Notei, porém, que havia muitas práticas indecentes a bordo. Não deixei de repreender os que procediam mal. Chegaram a pensar em me largar numa ilha qualquer.”
“Afinal chegamos em Jafa, na Palestina. Montados em jumentos, chegamos a Jerusalém. A uns cinco quilômetros da cidade, fizemos silêncio e prosseguimos rezando. Num ponto de onde podíamos avistar a cidade, uns frades franciscanos, com uma cruz, vieram receber-nos e guiar-nos.”
“Os franciscanos cuidam dos peregrinos e dos lugares santos até hoje.”


Lema

Tenha um ideal pelo qual lutar. Uma estrela iluminando o seu firmamento. Objetivos certos e definidos conferindo rumo aos seus passos, não raro vacilantes. Você nasceu para os píncaros, e não para vegetar na planície rasa da mediocridade.
O êxito e a realização dependem decisivamente da força do nosso pensamento, traduzido, logicamente, em posteriores projetos reais, em ações concretas, no chão do cotidiano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário