25 de out de 2010

Pensamentos do Padre Haroldo

AS DUAS BANDEIRAS

Disse um pregador a um amigo:
- Acabamos de ter a maior reforma que nossa Igreja sentiu em muitos anos.
- Quantos novos membros conseguiram?
- Nenhum. Perdemos quinhentos.
“ Jesus teria aplaudido”...
A experiência demonstra, ai de nós, que nossas convicções religiosas têm tanta relação com nossa santidade pessoal quanto o paletó com uma pessoa que janta tem com sua digestão.      
O Espírito Santo nos convida a refletir sobre a bandeira do Mundo e a Bandeira de Cristo. O propósito é compará-las, de modo que a de Cristo apareça claramente como aquela que desejamos seguir.
            Imaginamos a bandeira do Mal. O “Compendio Vaticano II” indica: “que Cristo nos libertou do poder do mal. O pecado porém impede o homem de conseguir a sua plenitude. O mal procede dos seres humanos e das estruturas por eles criadas.
            Imaginemos agora, a Bandeira de Cristo, nosso Senhor. Consideremos como Cristo se apresenta numa grande planície da região de Jerusalém, num lugar humilde, belo e gracioso.
            Escutaremos o discurso que Cristo dirige a todos os seus servos e amigos que envia a essa empresa. Recomenda-lhes que devem ajudar a todas as pessoas, atraindo-as, em alguns casos, a uma extrema pobreza espiritual, e não também à pobreza atual, se sua Divina Majestade quiser escolhê-los para esse estado. Em segundo lugar, ao desejo de opróbrios e desprezos, porque dessas duas coisas nasce a humildade. Cristo crucificado sofreu horrivelmente os mesmos. Deu-nos o exemplo.
            Não vemos Jesus num pedestal. Está na “planície”, com simplicidade, num lugar “humilde, belo e gracioso”.
            Há muita sede de lucro, de pedestais; muita vaidade e prepotência! Onde encontramos solidariedade, igualdade e espírito de serviço? Claro, é com Cristo Jesus.
            Sentiremos a luta entre o SER e o TER. “Ter” quer dizer: riquezas, honras e poder. “Ser” quer dizer: andar como um filho de Deus, irmão e membro do povo de Deus. Na vida verdadeira escolheremos a Bandeira de Cristo.
            Despertava a curiosidade da congregação o fato de o rabino desaparecer toda semana ao entardecer de sábado. Suspeitavam que ele estava se encontrando secretamente com o Todo-Poderoso; por isso, incubiram um dos seus membros de segui-lo.
Eis que o homem viu: o rabino disfarçava-se com roupas de camponês e trabalha para uma mulher cristã, na casa dela, limpando o quarto e preparando uma refeição especial para ela.
Quando o espião voltou, a congregação perguntou:
- Onde o rabino foi? Subiu ao céu?
- Não – respondeu o homem – ele subiu ainda mais alto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário